한국어 English 日本語 中文简体 Deutsch Español हिन्दी Tiếng Việt Русский LoginCadastre-se

Login

Bem-vindo(a)!

Obrigado por visitar a página web da Igreja de Deus Sociedade Missionária Mundial.

Você pode fazer login para acessar a área exclusiva para os membros da página web.
Login
Usuário
Senha

Esqueceu-se da Senha? / Cadastre-se

É proibido copiar e distribuir os sermões em texto. Por favor, guarde o que compreendeu através dos sermões no seu coração e espalhe-o pela fragrância de Sião.

As Lágrimas de Maria Madalena

Em Mateus, Deus é descrito como “Pai nosso” (Mt. 6:9). Em Gálatas, Deus é mencionado como “nossa Mãe” (Gl. 4:26). Em 2 Coríntios, somos chamados filhos e filhas de Deus (2Co. 6:18). Unindo todas estas palavras da Bíblia, nós podemos ver que somos os filhos do céu e os membros da família celestial que têm Deus como nosso Pai e nossa Mãe.

Contudo, não recordamos este fato porque fomos jogados a esta terra como resultado de ter cometido pecado no céu. Para nós, que vivemos na terceira dimensão, é muito difícil lembrar o que aconteceu no mundo espiritual. “Nosso Pai e nossa Mãe” não são simples títulos. Eles são realmente o nosso Pai e a nossa Mãe. Deus nos ensina este fato claramente através dos testemunhos da Bíblia.

A “devoção filial” é o dever dos filhos aos seus pais em uma família. As coisas da terra são uma figura e sombra das coisas celestes. Portanto, através da família terrena, podemos entender sobre a família espiritual. Na Bíblia aparecem muitos antepassados da fé que praticaram a devoção filial a Deus, nossos Pais espirituais. Mediante um deles, o caso de Maria Madalena, aprendamos a virtude da devoção filial a Deus.

Um vaso de alabastro com perfume e as lágrimas de Maria


Quando Maria Madalena derramou um vaso de alabastro com perfume sobre Jesus, ele disse que onde fosse pregado este evangelho seria contado o que ela fez. Por que Jesus disse isto e o que esteve por trás da sua obra? Primeiro, verifiquemos através das palavras do Evangelho de Lucas.

Lc. 7:36-49『Convidou-o um dos fariseus para que fosse jantar com ele. Jesus, entrando na casa do fariseu, tomou lugar à mesa. E eis que uma mulher da cidade, pecadora, sabendo que ele estava à mesa na casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com unguento; e, estando por detrás, aos seus pés, chorando, regava-os com suas lágrimas e os enxugava com os próprios cabelos; e beijava-lhe os pés e os ungia com o unguento. Ao ver isto, o fariseu que o convidara disse consigo mesmo: Se este fora profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, porque é pecadora. Dirigiu-se Jesus ao fariseu e lhe disse: [...] Certo credor tinha dois devedores: um lhe devia quinhentos denários, e o outro, cinquenta. Não tendo nenhum dos dois com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Qual deles, portanto, o amará mais? Respondeu-lhe Simão: Suponho que aquele a quem mais perdoou. Replicou-lhe: Julgaste bem. E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; esta, porém, regou os meus pés com lágrimas e os enxugou com os seus cabelos. Não me deste ósculo; ela, entretanto, desde que entrei não cessa de me beijar os pés. Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta, com bálsamo, ungiu os meus pés. Por isso, te digo: perdoados lhe são os seus muitos pecados, porque ela muito amou; mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama. Então, disse à mulher: Perdoados são os teus pecados. [...]』

No Evangelho de Lucas está escrito que uma mulher regou os pés de Jesus com suas lágrimas, os enxugou com os seus cabelos e os ungiu com perfume. Em Mateus, a palavra de Jesus está escrita: “Onde for pregado em todo o mundo este evangelho, será também contado o que ela fez, para memória sua”.

Mt. 26:6-13『Ora, estando Jesus em Betânia, em casa de Simão, o leproso, aproximou-se dele uma mulher, trazendo um vaso de alabastro cheio de precioso bálsamo, que lhe derramou sobre a cabeça, estando ele à mesa. Vendo isto, indignaram-se os discípulos e disseram: Para que este desperdício? Pois este perfume podia ser vendido por muito dinheiro e dar-se aos pobres. Mas Jesus, sabendo disto, disse-lhes: Por que molestais esta mulher? Ela praticou boa ação para comigo. Porque os pobres, sempre os tendes convosco, mas a mim nem sempre me tendes; pois, derramando este perfume sobre o meu corpo, ela o fez para o meu sepultamento. Em verdade vos digo: Onde for pregado em todo o mundo este evangelho, será também contado o que ela fez, para memória sua.』

Deus vê o coração


De acordo com as palavras de Jesus, a obra de Maria Madalena foi escrita nos quatro Evangelhos sem exceção. No Evangelho de João há uma cena em que Maria se aproximou de Jesus, regou os pés dele com suas lágrimas, os enxugou com seus cabelos e os ungiu com perfume, e Judas Iscariotes se enfureceu quando ele viu isto ao lado de Jesus. Segundo a sua lógica, já que este perfume era muito caro, que correspondia a quase o salário de um ano, deveria ter sido vendido e dado aos pobres, em vez de apenas desperdiçá-lo sobre os pés de Jesus. Contudo, a Bíblia explica que ele disse isso não porque tivesse cuidado dos pobres, mas sim porque queria tomar o dinheiro que poderia ter obtido ao vender o perfume (Ref. Jo. 12:1-8).

Assim como Jesus conhecia a intenção de Judas Iscariotes, ele viu o coração de Maria Madalena. Por esta razão disse que onde fosse pregado este evangelho, também seria contado o que ela fez.

1Sm. 16:6-7『Sucedeu que, entrando eles, viu a Eliabe e disse consigo: Certamente, está perante o SENHOR o seu ungido. Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração.』

Os homens julgam os outros por seu exterior, mas Deus sempre olha o nosso coração. Por trás da obra de Maria Madalena que derramou perfume sobre Jesus, ela teve devoção filial excepcional a Deus, que veio a esta terra em carne para salvar a nós, os mortais pecadores do céu. Mesmo que ele tivesse recebido a melhor honra pelos homens todos os dias, não teria sido o suficiente. Em vez disto, foi caluniado, difamado e ridicularizado por eles. Apesar de tudo, ele não afastou sua mão salvadora de nós até o fim, e nos guiou continuamente. Maria compreendeu esta graça de Deus com o profundo de seu coração, e derramou sem poupar este caro perfume sobre Jesus.

As lágrimas que Maria derramou quando viu Jesus, refletiram o seu arrependimento e entendimento: “O Senhor veio a esta terra por uma pecadora como eu, sabendo que uma vida aflita o esperava? Agora leva esta dolorosa vida por mim?” Jesus leu este lindo coração em suas lágrimas, e por isto disse: “Onde for pregado em todo o mundo este evangelho, será também contado o que ela fez, para memória sua”.

Deus é nosso Pai celestial e nossa Mãe celestial, e nós somos os filhos e filhas celestiais que o próprio Espírito testificou. Quando todos nós, os membros da família celestial, nos arrependermos sinceramente e praticarmos a devoção filial a Deus, ele certamente aceitará com alegria o nosso coração.

Uma obra filial provém do amor filial


Antes de vir a esta terra, vivíamos felizes no céu, chamando Deus de “Pai” e “Mãe”. Contudo, Satanás nos tentou a cometer pecados e fomos jogados a esta terra, vestindo-nos da roupa de pecado, como seres mortais. Para nós, o Pai e a Mãe celestiais deixaram toda a glória do céu e vieram a esta terra se fazendo até menor que os anjos, e ainda estão vivendo uma vida de sacrifício abrindo o caminho para que voltássemos ao eterno reino dos céus. Inclusive neste momento, Satanás tenta impedir as pessoas de compreenderem este fato e de praticar a devoção filial espiritual a Deus.

É claro, devemos praticar a devoção filial com os nossos pais terrenos, mas isso não é suficiente. Através das coisas físicas, devemos entender corretamente o princípio espiritual, de modo que nos arrependamos por completo como Maria Madalena e pratiquemos a devoção filial mais sincera ao nosso Pai e à nossa Mãe celestiais.

Mesmo que Maria Madalena tivesse muitas dificuldades, ela quebrou o alabastro de perfume e o derramou sobre os pés de Jesus depois de regá-los com suas lágrimas e enxugá-los com seus cabelos; isto porque ela compreendeu que Deus havia decidido vestir-se de carne para salvar tão graves pecadores como ela. Nós também devemos praticar a devoção filial com nosso Pai e nossa Mãe celestiais, glorificá-los e lhes agradecer, gravando profundamente nos nossos corações o que havia no coração de Maria Madalena e o que significavam as suas lágrimas quando ungiu o perfume sobre Jesus.

Mq. 6:6-8『Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus excelso? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros, de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu corpo, pelo pecado da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o SENHOR pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus.』

A devoção filial espiritual que devemos praticar a Deus não é algo especial. A Bíblia diz que Deus não se agrada de milhares de carneiros, ou de dez mil ribeiros de azeite, mas sim que seu maior desejo é que pratiquemos a justiça, amemos a misericórdia e andemos humildemente com ele. Finalmente, o maior ato de devoção filial que podemos fazer para Deus é participar todos junto da obra de salvar o mundo que Deus faz.

Pensemos no que devemos fazer para ajudar o Pai em sua obra e para aliviar a carga da cruz que a Mãe está levando sozinha, e assim cumpramos o nosso dever filial a Deus, como seus filhos. É por isso que Deus nos confiou o evangelho e nos habilitou para sermos ministros de uma Nova Aliança (1Ts. 2:4, 2Co. 3:6).

Temer a Deus é o dever de todo homem


Salomão o “rei da sabedoria” deixou o ensinamento mais importante. Sendo conhecido como o homem mais sábio de todas as épocas e países, finalmente chegou à seguinte conclusão sobre a vida:

Ec. 12:11-14『As palavras dos sábios são como aguilhões, e como pregos bem fixados as sentenças coligidas, dadas pelo único Pastor. [...] De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem. Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más.』

A última conclusão a que chegou Salomão, quem escreveu o livro de Eclesiastes sendo inspirado pelo Espírito Santo, foi que o dever mais importante dos seres humanos é servir fielmente a Deus, nossos Pais espirituais, e obedecer a todas as suas palavras. Através do ensinamento do Espírito Santo, Salomão finalmente nos faz compreender que devemos cumprir o nosso dever filial ao Pai e à Mãe celestiais como seus filhos celestiais.

As pessoas esqueceram o que aconteceu no mundo angélico e vivem sem conhecer a razão e o propósito da vida, pensando que as coisas da terra, que é o mundo tridimensional, são tudo. Elas passam cada dia se satisfazendo com alimentação, vestuário e habitação, e perseguindo a riqueza e a honra terrenas, e quando morrem estarão de pé diante do tribunal de Deus.

Salomão nos ensina através do livro de Eclesiastes que mesmo que ele tenha desfrutado de toda a riqueza e honra do mundo, tudo era vaidade como correr atrás do vento, e que temos um mundo eterno onde vamos voltar. Temer a Deus, nosso Pai e nossa Mãe espirituais, que governam o mundo eterno, e guardar os seus mandamentos, é o dever de todo homem. No último dia, Deus revelará tudo o que está oculto e julgará cada pessoa segundo as suas obras. Desta maneira, Deus terminará toda a sua obra.

Até mesmo Jesus, que veio a esta terra como um Filho, deu o exemplo de devoção filial obedecendo à vontade de Deus até a morte. Entre os ensinamentos de Jesus, vejamos o seu ensinamento de devoção filial a Deus.

Mt. 22:34-38『Entretanto, os fariseus, sabendo que ele fizera calar os saduceus, reuniram-se em conselho. E um deles, intérprete da Lei, experimentando-o, lhe perguntou: Mestre, qual é o grande mandamento na Lei? Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento.』

“Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento.” Estas palavras de Jesus significam que devemos praticar a devoção filial espiritual a Deus, nosso Pai e nossa Mãe, como seus filhos. Jesus disse que este é o grande e primeiro mandamento na lei.

No final, o grande e primeiro mandamento é cumprir o nosso dever filial a Deus com todo o nosso coração, assim como o último pedido de Salomão. Antes, costumávamos pensar em Deus como um Ser absoluto que estava totalmente separado de nós. Contudo, Deus nos conectou com ele através da Nova Aliança, através de sua carne e seu sangue que nunca podem ser separados de nós. Por isso, temos chegado a sermos os filhos e filhas de Deus, e Deus chegou a ser o nosso Pai e a nossa Mãe. Como filhos de Deus, todos nós devemos praticar a devoção filial a Deus.

Sejamos os protagonistas das lindas histórias de devoção filial


É agradável ver os filhos praticar a devoção filial com seus pais nesta terra, não é mesmo? A história de um filho devoto com seus pais foi transmitida através das gerações desde a antiguidade, e ainda comove o coração de muitos e lhes dá boas lições.

Nós também, sejamos os protagonistas das lindas histórias de devoção filial que serão transmitidas aos anjos do céu. Deus, que é digno de receber a glória pelo século dos séculos, veio a esta terra em forma humana e deu sua vida inteira para o perdão de pecados e a salvação dos seus filhos. Como temos escutado isto, devemos temer a Deus e obedecer às suas palavras. Este é o dever de todos nós.

Muitos dos santos da igreja primitiva praticaram a devoção filial a Deus. Um deles foi o apóstolo Paulo, que compreendeu tardiamente e praticou uma devoção filial excepcional a Deus. Vejamos como ele praticou a sua devoção filial.

Rm. 8:35-39『Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: Por amor de ti, somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro. Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.』

Deus nos ama e nos cuida mais que tudo no mundo. Nossos pais são provavelmente os únicos que nos amam mais que nós mesmos. O apóstolo Paulo pregou o evangelho com uma firme determinação, dizendo que nenhum tipo de angústia ou circunstância podia nos separar do amor de Deus. Há mais júbilo no céu por um pecador que se arrepende, do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. Paulo se esforçou muito para fazer a missão de pregar o evangelho a fim de dar alegria ao Pai e à Mãe celestiais.

Irmãos e irmãs de Sião, eu gostaria de lhes pedir repetidamente que vivam, mais sabia e retamente, amando e temendo a Deus e guardando todos os seus mandamentos, como diz a Bíblia. Acredito que quando fizermos isto, as lágrimas de nossos corações, como as sinceras lágrimas de Maria Madalena, regarão os pés de Deus. Desejo que todos nós, os filhos do céu, demos alegria ao Pai e à Mãe e pratiquemos todos os dias a verdadeira devoção filial a eles, encontrando todos os nossos irmãos e irmãs perdidos o mais rápido possível.