한국어 English 日本語 中文 Deutsch Español हिन्दी Tiếng Việt Русский LoginCadastre-se

Login

Bem-vindo(a)!

Obrigado por visitar a página web da Igreja de Deus Sociedade Missionária Mundial.

Você pode fazer login para acessar a área exclusiva para os membros da página web.
Login
Usuário
Senha

Esqueceu-se da Senha? / Cadastre-se

É proibido copiar e distribuir os sermões em texto. Por favor, guarde o que compreendeu através dos sermões no seu coração e espalhe-o pela fragrância de Sião.

O Significado do Dia da Expiação

As festas de Deus, incluindo o Dia de Sábado e as sete festas de três tempos, que são descritas na Bíblia, não são apenas parte da lei do Antigo Testamento, mas cada uma delas tem um grande significado para a salvação da humanidade. Deus salva o povo de Sião, que guarda as festas, e chama aqueles que fizeram aliança com ele por meio de sacrifícios (adoração) das festas “os meus santos” (Is. 33:20-24, Sl. 50:1-5). Deus também diz que ele reunirá seus filhos que se esforçam para guardar as festas nos últimos dias e lhes dará louvor e honra entre todos os povos da terra (Sf. 3:14-20).

De acordo com as promessas de Deus na Bíblia, as pessoas que cuidam e guardam as leis, decretos e estatutos de Deus, incluindo suas festas, receberão toda a bênção e glória. Agora, vamos examinar o significado do Dia da Expiação entre as festas de Deus.

A origem do Dia da Expiação


O Dia da Expiação, que cai no décimo dia do sétimo mês do calendário sagrado, é uma das sete festas de três tempos. Nos tempos do Antigo Testamento, o sumo sacerdote entrava no Santo dos Santos sozinho uma vez por ano no Dia da Expiação para expiar todos os pecados do povo.

Como todas as outras festas de três tempos, o Dia da Expiação se originou da obra de Moisés. Quando os israelitas foram libertados do Egito e foram para o deserto, Deus chamou Moisés ao monte Sinai para dar ao povo sua lei que era necessária para eles. Sendo chamado por Deus, Moisés subiu ao monte e, depois de jejuar por quarenta dias, recebeu as tábuas de pedra sobre as quais o próprio Deus escreveu os dez mandamentos e desceu do monte.

No entanto, os israelitas abaixo do monte pensaram que Moisés devia ter morrido, pois ele não desceu do monte durante quarenta dias. Como eles pensaram que tinham perdido seu líder, levantaram um deus que os levaria a Canaã, e eles finalmente fizeram um bezerro de ouro e adoraram o ídolo, comendo, bebendo e dançando ao redor dele. Quando Moisés desceu do monte, ele viu esta cena terrível. Isso o deixou tão irritado que ele jogou as tábuas de pedra, quebrando-as em pedaços ao pé do monte. Naquele dia, uma guerra civil irrompeu e 3.000 pessoas foram mortas pela espada. Então os israelitas se arrependeram profundamente de seus pecados e tiraram todos os seus ornamentos, e Moisés pediu a Deus que perdoasse o pecado do povo (Êx. 32:1-35).

Como resultado de seu sincero arrependimento, Deus permitiu que Moisés subisse novamente ao monte Sinai para receber pela segunda vez os dez mandamentos. O fato de que os israelitas receberam novamente os dez mandamentos contém a misericórdia de Deus e a vontade de perdoar seus pecados. Moisés subiu ao monte Sinai novamente e depois de jejuar quarenta dias ele recebeu os dez mandamentos pela segunda vez, e o dia em que ele desceu do monte se tornou a origem do Dia da Expiação (Êx. 34:1-35).

O princípio da expiação revelado nas regras do Dia da Expiação


Nos tempos do Antigo Testamento, as ofertas pelo pecado eram apresentadas a Deus: um novilho para os sacerdotes e um bode para o povo. Havia outro bode além do usado pelos pecados do povo. O sumo sacerdote pegava dois bodes e lançava a sorte para eles, um para Deus e outro para o bode emissário, o bode Azazel. Depois de oferecer o primeiro como a oferta pelo pecado, o sacerdote colocou toda a iniquidade e pecados dos israelitas na cabeça do bode Azazel e o mandou para um lugar solitário no deserto.

Lv. 16:6-10, 20-22 『Arão trará o novilho da sua oferta pelo pecado e fará expiação por si e pela sua casa. Também tomará ambos os bodes e os porá perante o SENHOR, à porta da tenda da congregação. Lançará sortes sobre os dois bodes: uma, para o SENHOR, e a outra, para o bode emissário. Arão fará chegar o bode sobre o qual cair a sorte para o SENHOR e o oferecerá por oferta pelo pecado. Mas o bode sobre que cair a sorte para bode emissário será apresentado vivo perante o SENHOR, para fazer expiação por meio dele e enviá-lo ao deserto como bode emissário. [...] Havendo, pois, acabado de fazer expiação pelo santuário, pela tenda da congregação e pelo altar, então, fará chegar o bode vivo. Arão porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo e sobre ele confessará todas as iniquidades dos filhos de Israel, todas as suas transgressões e todos os seus pecados; e os porá sobre a cabeça do bode e enviá-lo-á ao deserto, pela mão de um homem à disposição para isso. Assim, aquele bode levará sobre si todas as iniquidades deles para terra solitária; e o homem soltará o bode no deserto.』

As cerimônias do Dia da Expiação em Levítico mostram o princípio do perdão dos pecados. Nos tempos do Antigo Testamento, quando os israelitas pecavam, traziam um animal ao sacerdote para o sacrifício. Então o sacerdote matava o animal, colocava um pouco do seu sangue nos chifres do altar no santuário. Quando o sacerdote fazia expiação por eles, os seus pecados eram temporariamente transferidos para o santuário e, no Dia da Expiação, todos os seus pecados eram imputados ao bode Azazel. Então o santuário era purificado e o bode Azazel levava sobre si todos os seus pecados para um lugar solitário no deserto, onde o bode vagava e morria, para que todos os pecados desaparecessem.

A oferta pelo pecado nos regulamentos do Dia da Expiação representa Cristo, e o bode Azazel representa o diabo. Todos os pecados e transgressões que cometemos são temporariamente transferidos para Cristo, que é representado pela oferta pelo pecado e pelo santuário, e são imputados ao diabo, o progenitor do pecado, no Dia da Expiação. O diabo é confinado no abismo, carregando sobre si todos os nossos pecados, e ele será lançado no fogo eterno do inferno para ser destruído no último dia.

As realidades do santuário, da oferta pelo pecado e do bode Azazel


Somos pecadores que se levantaram contra Deus e se uniram à estrela da manhã, filho da alva, que tentou exaltar-se acima do trono de Deus, sendo tentado por ele, consciente ou inconscientemente. No entanto, o próprio Deus tornou-se o santuário e concedeu a sua graça expiatória a nós, carregando todos os nossos pecados em lugar de nós.

Jr. 17:12-13 『Trono de glória enaltecido desde o princípio é o lugar do nosso santuário. Ó SENHOR, Esperança de Israel! Todos aqueles que te deixam serão envergonhados; o nome dos que se apartam de mim será escrito no chão; porque abandonam o SENHOR, a fonte das águas vivas.』

Nossos pecados foram imputados a Satanás, o diabo, que é representado pelo bode Azazel, depois de ter sido temporariamente transferido para Deus, que é representado pelo santuário. Não só o santuário, mas também a oferta pelo pecado, representa Cristo. Nossos pecados cometidos no céu não poderiam ser expiados com o sangue de animais, mas somente com o precioso sangue de Cristo.

Hb. 10:1-4, 9-11 『Ora, visto que a lei tem sombra dos bens vindouros, não a imagem real das coisas, [...] Entretanto, nesses sacrifícios faz-se recordação de pecados todos os anos, porque é impossível que o sangue de touros e de bodes remova pecados. [...] então, acrescentou: Eis aqui estou para fazer, ó Deus, a tua vontade. Remove o primeiro para estabelecer o segundo. Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas. [...]』

A lei tem sombra dos bens vindouros. A realidade da oferta pelo pecado no Antigo Testamento é Cristo. Jesus Cristo cumpriu o papel de um novilho ou um bode, a oferta pelo pecado para o Dia da Expiação, sendo sacrificado na cruz pelos nossos pecados. Ele realizou a nossa expiação de uma só vez através do seu precioso sangue e passou todos os nossos pecados e transgressões para o diabo. Assim, ele abriu o caminho para que voltássemos ao eterno reino dos céus.

Jo. 1:29 『No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!』

Ef. 1:7 『no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça,』

Sem o seu sacrifício expiatório, não havia maneira para expiar os pecados que cometemos no céu. Através do sacrifício de Deus, nossos pecados foram transferidos para o diabo e o caminho glorioso para nós voltarmos ao céu se abriu.

Assim como o bode Azazel morreu depois de vagar pelo deserto, Satanás, o diabo que é representado pelo bode Azazel, deve ser destruído para sempre depois de ser confinado no abismo.

Ap. 20:1-10 『Então, vi descer do céu um anjo; tinha na mão a chave do abismo e uma grande corrente. Ele segurou o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o prendeu por mil anos; [...] O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como também o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos.』

Podemos ver que Deus imputa todos os nossos pecados e transgressões de volta ao diabo e o leva à morte depois de tudo, da mesma maneira que levou o bode Azazel para um lugar solitário no deserto. Este é o grande significado do Dia da Expiação que guardamos hoje.

O significado do sacrifício da oferta pelo pecado


Sem o sacrifício do Pai e da Mãe celestiais, não podemos ir para o céu; a salvação nunca é alcançada por dinheiro, honra, conhecimento ou qualquer outra coisa. É através do sacrifício do Pai e da Mãe que vivemos na esperança de voltar ao céu, tendo recebido o perdão dos pecados. Devemos manter esse fato em mente o tempo todo, e nenhum de nós deve se afastar de sua graça. Vejamos alguns versículos que descrevem o santo sacrifício do Pai e da Mãe.

Is. 53:1-8 『Quem creu em nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do Senhor? [...] Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos. [...] Por juízo opressor foi arrebatado, e de sua linhagem, quem dela cogitou? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo, foi ele ferido.』

Deus voluntariamente escolheu ser açoitado para o perdão dos nossos pecados e ser punido para nos trazer a paz. Na sua segunda vinda, também, Ele andou no caminho do sofrimento, sempre nos iluminando e nos lembrando da lei da Nova Aliança para nos
redimir do pecado.

De acordo com a lei do Antigo Testamento, quando os israelitas pecavam, eles deveriam apresentar os animais como ofertas pelo pecado, sempre distinguindo entre animais machos e fêmeas. Quando eles cometiam pecado em tempos comuns, tanto bodes machos quanto fêmeas foram usados para as ofertas pelo pecado. Isto é uma sombra mostrando que às vezes o Pai leva os nossos pecados e às vezes a Mãe os carrega.

Lv. 4:22-26 『Quando um príncipe pecar, e por ignorância fizer alguma de todas as coisas que o Senhor, seu Deus, ordenou se não fizessem, e se tornar culpado; ou se o pecado em que ele caiu lhe for notificado, trará por sua oferta um bode sem defeito. E porá a mão sobre a cabeça do bode e o imolará no lugar onde se imola o holocausto, perante o Senhor; é oferta pelo pecado. [...] assim, o sacerdote fará expiação por ele, no tocante ao seu pecado, e este lhe será perdoado.』

Lv. 4:27-35 『Se qualquer pessoa do povo da terra pecar por ignorância, por fazer alguma das coisas que o SENHOR ordenou se não fizessem, e se tornar culpada; ou se o pecado em que ela caiu lhe for notificado, trará por sua oferta uma cabra sem defeito, pelo pecado que cometeu. E porá a mão sobre a cabeça da oferta pelo pecado e a imolará no lugar do holocausto. [...] Mas, se pela sua oferta trouxer uma cordeira como oferta pelo pecado, fêmea sem defeito a trará. E porá a mão sobre a cabeça da oferta pelo pecado e a imolará por oferta pelo pecado, no lugar onde se imola o holocausto. [...] assim, o sacerdote, por essa pessoa, fará expiação do seu pecado que cometeu, e lhe será perdoado.』

Por causa de nossos pecados e transgressões, o Pai sofreu e a Mãe ainda está sofrendo em carne para nos proteger e nos conduzir até o fim ao caminho para o céu, lutando a grande batalha espiritual contra Satanás. Quem na terra pode suportar esta vida dolorosa?

No entanto, se não nos arrependermos, mas trairmos o grande amor e graça do Pai e da Mãe celestiais, nunca poderemos ir ao céu. É por isso que Deus disse primeiro quando começou a pregar: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (Mt. 4:17). A partir de agora, devemos viver uma vida de arrependimento todos os dias para que possamos produzir frutos de acordo com o arrependimento, como os filhos maduros de Deus.

Vamos produzir frutos de acordo com o arrependimento


No Novo Testamento, o Dia da Expiação é o dia em que confessamos todos os pecados e transgressões que cometemos no passado, incluindo aqueles que cometemos durante o último ano, diante de Deus e nos arrependemos deles. Os pecadores têm o hábito de tentar esconder seus pecados, mas não devemos esconder nossos pecados. Quando confessamos e nos arrependemos de nossos pecados, Deus responde nossas orações e perdoa nossos pecados (Sl. 32:3-5).

O verdadeiro arrependimento significa não repetir os pecados novamente. Nós fomos libertos do pecado através do sacrifício do Pai e da Mãe. No entanto, se cometermos um pecado novamente, não haverá mais nenhum método para expiá-lo ou qualquer sacrifício adicional por ele. Como podemos esperar a salvação enquanto causamos dor ao Pai e a Mãe pecando de novo?

Nós pecamos no céu, e não devemos cometer o ato tolo de pecar novamente aqui na terra. Se vivemos em pecado sem perceber por que o Pai e a Mãe têm suportado todo o sofrimento ou sem saber se cobrimos a glória de Deus ou a exibimos, arrastados por nossos próprios maus desejos, nós mesmos devemos pagar o preço por todos os nossos pecados. Quanto àqueles que já foram iluminados, que provaram todos os dons celestes e que compartilharam no Espírito Santo, se eles pecarem novamente, são aqueles que crucificam Cristo de novo; não resta mais sacrifício para expiar seus pecados (Hb. 6:4-6).

Estando profundamente determinados a não nos tornarmos novamente maus filhos e filhas que crucificam o Pai e a Mãe na cruz, vivamos em fé, santos e íntegros, como o povo do eterno reino celestial. O Pai e a Mãe celestiais perdoaram todos os nossos pecados e transgressões e nos levaram a viver uma vida de arrependimento. Todos nós, povo de Sião, devemos sempre pensar sobre sua graça e dar graças e glória a eles.

Eu sinceramente peço a todos vocês que pensem em como participar da grande obra de arrependimento e de salvação que o Pai e a Mãe estão realizando, em vez de sempre resmungarem como crianças e apenas quererem ser amados, e salvem todas as pessoas ao redor do mundo, como membros do corpo de Cristo e como lindos filhos e filhas de Deus, até que o evangelho seja cumprido aqui na terra.