한국어 English 日本語 中文 Deutsch Español हिन्दी Tiếng Việt Русский LoginCadastre-se

Login

Bem-vindo(a)!

Obrigado por visitar a página web da Igreja de Deus Sociedade Missionária Mundial.

Você pode fazer login para acessar a área exclusiva para os membros da página web.
Login
Usuário
Senha

Esqueceu-se da Senha? / Cadastre-se

É proibido copiar e distribuir os sermões em texto. Por favor, guarde o que compreendeu através dos sermões no seu coração e espalhe-o pela fragrância de Sião.

Cristo Jesus, homem


Hoje em dia, nós, que pregamos Cristo, às vezes, encontramos uma situação que podia ocorrer na época da igreja primitiva. Sobre o fato de Cristo ter vindo como homem a esta terra, vamos investigar como os apóstolos da igreja primitiva pregavam Cristo, como os líderes religiosos daquele tempo interrompiam a pregação do evangelho de Cristo e qual foi o motivo deles terem sido contra Cristo e seus discípulos.

Vamos verificar quem pode entrar no reino dos céus e quem será lançado ao inferno, e aí tenhamos uma fé digna de ser elogiada por Deus quando ele vier.


Cristo Jesus, homem


1Tm. 2:4-5 『o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem,』

Paulo enfatizou a palavra “Cristo Jesus, homem” na carta enviada a Timóteo. Em vez de somente escrever: “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus”, por que Paulo acrescentou a palavra “homem” depois de “Cristo Jesus”?

Naquele tempo, quando Deus fazia seu ministério como o Filho Santo nesta terra, quase todos os líderes religiosos esperavam que ele fizesse sua obra em espírito, e não em carne. Devido a esse pensamento errado, caíram no erro de considerar que Deus é alguém que não tem poderes para vir em semelhança humana como nós. Por consequência da maneira que pensavam, rejeitaram e perseguiram Jesus e também muitos cristãos da igreja primitiva que acreditavam nele.

Mesmo assim, os apóstolos, que possuíam um entendimento correto e verdadeiro a respeito da fé, testificaram com firmeza que todo espírito, que negasse que Cristo havia vindo como ser humano, era o espírito do anticristo que procedia do diabo.

1Jo. 4:2-3 『Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo …』

Os santos e os apóstolos da igreja primitiva, acreditaram que era natural que Cristo aparecesse como homem quando veio a esta terra. Pelo contrário, os líderes religiosos daquele tempo os criticaram e estavam contra eles, dizendo que não era possível Cristo ter vindo a esta terra em carne.

Estudando mais sobre a situação da igreja primitiva, vamos ver a razão dos apóstolos terem dito as seguintes palavras.

Jo. 1:1-14 『No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus … E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.』

Deus, que no princípio era o Verbo, veio a esta terra em carne e usou o nome de Jesus. Nesse tempo, as pessoas, que tinham uma fé verdadeira, crendo que Jesus é Deus, puderam seguir Jesus que pregou as coisas do reino dos céus, e que testificou a verdade que traz o perdão dos pecados e a salvação.

Fp. 2:5-6 『Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus …』

Paulo, reconhecido como o apóstolo dos apóstolos, creu firmemente no fato de Jesus ter sido Deus. Do mesmo modo, o apóstolo João testificou que Jesus é Deus, o Verbo no princípio.

Com os olhos espirituais, os apóstolos Paulo e João viram Jesus Cristo, compreenderam e acreditaram que Jesus Cristo subsistia em forma de Deus. Eles são representantes da igreja primitiva e exemplos de fé para nós, e todos os cristãos os respeitam agora. No entanto, naquele tempo eles eram as pessoas que pregavam Jesus, a quem todos desprezavam. Quase todas as pessoas, que vivem hoje, reconhecem que Jesus é Deus; naqueles dias, porém, as pessoas o consideravam como apenas um filho de carpinteiro. Apesar disso, estes dois apóstolos possuíam uma fé diferente das pessoas daquele tempo.

O apóstolo Paulo testificou aos santos da igreja de Colossos que Jesus Cristo era Deus Criador de todas as coisas.

Cl. 1:15-16 『Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele.』

Na época em que as pessoas zombavam dele e diziam: “Como Deus pode vir como homem?”, o apóstolo Paulo acreditava firmemente em Jesus e o seguia pregando valentemente que ele é Deus Criador.

Em qualquer época, existem tanto seguidores da verdade quanto inimigos dela. Quando as pessoas blasfemavam contra Jesus Cristo e contra a verdade, afligindo e perseguindo seus seguidores, os apóstolos como Paulo e João testificavam com a fé constante que ele era o verdadeiro Deus.


A situação da época apostólica que impediu o conhecimento da natureza divina de Jesus


Todos os fariseus, escribas e demais líderes religiosos, que possuíam autoridade eclesiástica naquela época, viraram seus rostos contra Jesus e o rejeitaram. Não obstante, os apóstolos creram nele e o receberam, dizendo: “Todas as coisas foram feitas por ele”, “Ele é a imagem do Deus invisível”, “A essência dele é Deus” e “Ele é Deus sobre todas as coisas, bendito para todo o sempre”.

A situação daquele tempo era totalmente diferente de hoje; era muito difícil ter fé em Jesus naquela época. Cerca de 2.000 anos atrás, Jesus, como renovo que saiu na terra seca, não parecia agradável nem formoso, nem atrativo aos olhos dos seres humanos e nesse sentido o evangelho que ele pregava parecia uma seita para os líderes religiosos.

Até esse momento, se utilizavam animais em todas as cerimônias que continham sacrifícios a Deus. Por isso, durante o culto, o povo oferecia sacrifícios a Deus com o sangue de animais. Mas, quando Jesus disse: “Agora não precisamos do sangue, porque eu vim”, houve uma grande diferença entre seus ensinamentos e as cerimônias de sacrifício deles. Por esta razão, eles consideraram Jesus como herege.

Já que eles não reconheceram que ele era o Cristo, blasfemaram contra ele e criaram obstáculos na sua obra de salvação nesta terra, chegando até a amaldiçoar seu Deus, dizendo toda sorte de males contra ele.

Jo. 10:30-33 『Eu e o Pai somos um. Novamente, pegaram os judeus em pedras para lhe atirar. Disse-lhes Jesus: Tenho-vos mostrado muitas obras boas da parte do Pai; por qual delas me apedrejais? Responderam-lhe os judeus: Não é por obra boa que te apedrejamos, e sim por causa da blasfêmia, pois, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo.』

Os líderes religiosos daqueles dias perseguiram Cristo, dizendo que ele, sendo homem, se fazia Deus. Os apóstolos, porém, reconheceram Cristo. O apóstolo Paulo testificou que Jesus subsistia em forma de Deus, e o apóstolo João deu testemunho de que Cristo era Deus, o Verbo, que existia desde o princípio. Assim, seus pensamentos eram absolutamente diferentes dos pensamentos dos líderes religiosos daquele tempo, que possuíam autoridade religiosa.

Estes líderes religiosos pensavam que o Deus em quem eles acreditavam deveria vir no esplendor grandioso da sua glória, e não na forma de um homem. Entretanto, contrariamente às suas expectativas, Deus veio como um ser humano, e pregou dizendo: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus”, e advertiu acerca das obras iníquas deles. Indignados, por isso, eles o rejeitaram. Eles tiveram Jesus por um homem simples, enquanto os apóstolos o reconheceram como o verdadeiro Deus.

O mesmo sucede agora. Através da história da igreja primitiva, podemos compreender que já profeticamente estava anunciado que a vinda de Cristo em carne despertaria resistência nas pessoas desta época também. Vamos ver como Jesus foi injustamente acusado quando ele, dois mil anos atrás, veio a esta terra em carne e pregou o evangelho, declarando às pessoas que cressem em seu nome.


Jesus Cristo rotulado de “seita dos nazarenos”


At. 24:1-16 『Cinco dias depois, desceu o sumo sacerdote, Ananias, com alguns anciãos e com certo orador, chamado Tértulo, os quais apresentaram ao governador libelo contra Paulo … Porque, tendo nós verificado que este homem é uma peste e promove sedições entre os judeus esparsos por todo o mundo, sendo também o principal agitador da seita dos nazarenos, o qual também tentou profanar o templo, nós o prendemos … Tu mesmo, examinando-o, poderás tomar conhecimento de todas as coisas de que nós o acusamos … Paulo, tendo-lhe o governador feito sinal que falasse, respondeu: … e que não me acharam no templo discutindo com alguém, nem tampouco amotinando o povo, fosse nas sinagogas ou na cidade; nem te podem provar as acusações que, agora, fazem contra mim. Porém confesso-te que, segundo o Caminho, a que chamam seita, assim eu sirvo ao Deus de nossos pais, acreditando em todas as coisas que estejam de acordo com a lei e nos escritos dos profetas, tendo esperança em Deus, como também estes a têm, de que haverá ressurreição, tanto de justos como de injustos. Por isso, também me esforço por ter sempre consciência pura diante de Deus e dos homens.』

Não tinham acusações para levantar contra Paulo, mas o acusaram somente pelo fato de ensinar uma doutrina diferente da deles. Paulo não foi acusado por ter cometido algum crime, e sim por pregar Deus que veio em carne.

Naqueles dias, o evangelho de Jesus Cristo já havia se difundido em toda Jerusalém e em outras regiões. Mesmo assim, nesse momento, as pessoas não reconheciam que Jesus subsistia em forma de Deus, e o acusaram injustamente de herege e de liderar a “seita dos nazarenos”. Os líderes religiosos também levaram o apóstolo Paulo à corte do governador pelo fato de crer que Jesus era Deus. Era natural que ambos os grupos se enfrentassem, porque enquanto um ensinava que Jesus era o Deus verdadeiro, o outro o rejeitava, dizendo: “Como podem dizer que Jesus, sendo um simples homem, é Deus?”

Espiritualmente, o antagonismo entre os dois se explica como a inimizade entre Deus e Satanás. Quando Paulo foi levado à corte, perguntou qual crime haviam achado nele. Em realidade, não tinham nenhuma base para acusá-lo, porque ele somente pregava que Jesus Cristo era Deus e que se havia levantado dos mortos, e que qualquer que cresse nele não experimentaria a morte, mas sim ressuscitaria.

Discutindo com eles, Paulo declarou que ele mesmo seguia o caminho que eles chamavam heresia. Mas, realmente este caminho era uma heresia? Vamos ver o que Jesus disse sobre os que o chamaram de seita dos nazarenos.

Mt. 23:13-15 『Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois vós não entrais, nem deixais entrar os que estão entrando! … Ai de vós, escribas e ariseus, hipócritas, porque rodeais o mar e a terra para fazer um prosélito; e, uma vez feito, o tornais filho do inferno duas vezes mais do que vós!』

Jesus declarou aos líderes religiosos que eram valorizados e estimados naqueles dias: “Haverá maldição para vocês!” Isso porque eles estavam fechando o reino dos céus diante dos homens e de várias maneiras, impediam que eles entrassem no reino, dizendo: “Como Jesus, um simples homem, pode ser Deus? Ele não tem sabedoria”. Com estas palavras tão perversas, tratavam tenazmente de impedir que as pessoas tivessem fé em Cristo.

Estes líderes religiosos impediam que os homens reconhecessem Deus, que havia vindo a esta terra, e os faziam ser mais hostis contra Deus e cometer mais maldades que antes. Por isso, a Bíblia diz que eles fazem os homens duas vezes mais filhos do inferno que eles mesmos. Eles nunca poderão entrar no reino dos céus. Onde estão agora Ananias, Tértulo, os anciãos e todos os judeus que os apoiaram? Estão sendo atormentados no inferno, e o fumo do seu tormento subirá pelos séculos dos séculos.


Uma nova religião que prega Jesus


A Bíblia diz que Cristo aparecerá pela segunda vez aos que o aguardam (Hb. 9:28). Os 66 livros da Bíblia dão testemunho da segunda vinda de Cristo. Mesmo assim, hoje em dia os líderes religiosos que têm autoridade eclesiástica nunca receberiam o Cristo da segunda vinda.

Quanto a eles, já que Jesus sabe as situações da primeira vinda e da segunda vinda, nesse sentido disse: “Vós fechais o reino dos céus diante dos homens; pois vós não entrais, nem deixais entrar os que estão entrando. Vós o tornais filho do inferno duas vezes mais do que vós!”

Hoje também, desse mesmo modo, aonde quer que seja pregado o evangelho, assim como na época da igreja primitiva, estão acontecendo os conflitos de opiniões entre os pregadores do evangelho e os líderes religiosos existentes.

At. 5:26-28 『Nisto, indo o capitão e os guardas, os trouxeram sem violência, porque temiam ser apedrejados pelo povo. Trouxeramnos, apresentando-os ao Sinédrio. E o sumo sacerdote interrogou-os, dizendo: Expressamente vos ordenamos que não ensinásseis nesse nome; contudo, enchestes Jerusalém de vossa doutrina; e quereis lançar sobre nós o sangue desse homem.』

O evangelho da verdade, pelo qual foi anunciado que Jesus é Deus, é uma nova religião surgida nessa época em que os judeus nunca antes haviam ouvido. Tendo em vista que era uma verdade que não conheciam, provocava grandes polêmicas acaloradas entre eles.

Mas, para os que detestavam a corrupção dos líderes religiosos daquele tempo, o evangelho de Cristo era uma refrescante chuva e água da vida que saciava sua sede. Por isso, onde quer que os discípulos fossem, a cada dia surgiram os que creram nessa pregação e eram cerca de três mil ou cinco mil por dia.

At. 4:2-21 『ressentidos por ensinarem eles o povo e anunciarem, em Jesus, a ressurreição dentre os mortos; e os prenderam, recolhendo-os ao cárcere até ao dia seguinte, pois já era tarde. Muitos, porém, dos que ouviram a palavra a aceitaram, subindo o número de homens a quase cinco mil … consultavam entre si, dizendo: Que faremos com estes homens? Pois, na verdade, é manifesto a todos os habitantes de Jerusalém que um sinal notório foi feito por eles, e não o podemos negar; mas, para que não haja maior divulgação entre o povo, ameacemo-los para não mais falarem neste nome a quem quer que seja. Chamando-os, ordenaram-lhes que absolutamente não falassem, nem ensinassem em o nome de Jesus. Mas Pedro e João lhes responderam: Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus; pois nós não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos. Depois, ameaçando-os mais ainda, os soltaram, não tendo achado como os castigar …』

Num dia, quase cinco mil pessoas se arrependeram e receberam Jesus como o Salvador. Quando os líderes religiosos viram este grande acontecimento, ficaram profundamente surpreendidos. Para eles, ter ou não uma verdadeira fé em Deus, não importava, porém, já que eram todos corruptos, eles tinham medo de perder sua autoridade religiosa.

Assim, eles fizeram todos os esforços para deter os apóstolos; os arrestaram, ameaçaram e advertiram, e ainda mais os açoitaram e os encerraram em prisão. Apesar de tudo isto, o número de crentes crescia mais e mais. Os apóstolos anelavam a verdade e desejavam o reino de Deus; e ainda que muitos os incriminavam com falsos rumores, isso não conseguiu desanimá-los. Assim, o evangelho passou a se expandir cada vez mais a Samaria e até aos confins da terra. Embora eles tentassem impedir, não puderam frear a obra de Deus.


O evangelho prosperou até em tribulações e perseguições


Nos dias de Neemias, Sambalate e Tobias tomaram a frente para impedir que os judeus reconstruíssem o templo e a cidade de Jerusalém. Fazendo escárnio deles, disseram: “Ainda que edifiquem, vindo uma raposa, derribará o seu muro de pedra”. Desta maneira, provocaram muita confusão no povo judeu. Mas, apesar destes obstáculos, todos os oficiais e líderes de Judá estavam com um só coração nessa obra. Durante a noite, eles vigiavam as muralhas; durante o dia, todos os que trabalhavam, com uma das mãos, faziam a obra e com a outra seguravam a arma. Assim, cada um trazia a sua espada à cinta e edificava o templo e as muralhas de Jerusalém (Ne.4:1-23).

Quando seus inimigos ouviram que por fim haviam terminado de construir o templo, temeram e se desanimaram, e compreenderam que pela ajuda de Deus havia se realizado a obra (Ne. 6:15-16).

Também, a fé que os apóstolos tinham em Cristo se incendiou ainda mais no meio de perseguições e aflições. Onde estão eles agora? Estão sendo consolados por Deus no eterno reino dos céus. Onde está o apóstolo Paulo que proclamava valentemente que Jesus era Deus? Está descansando eternamente no glorioso reino que ninguém tem visto, nem ouvido e nem imaginado.

Mas, onde estão agora os principais sacerdotes e líderes religiosos que insultavam Paulo dizendo “principal agitador da seita dos nazarenos” e o perseguiam?


A batalha espiritual profetizada e a promessa da vitória


Hoje em dia, se muitas pessoas tivessem esperança no céu, vendo este século que está cego por desejos mundanos e temporários, seria natural que procurassem a verdade da Bíblia. Mas, elas ainda não estão dispostas a isso, como já vimos este estado cego através da história da igreja primitiva.

Os 144 mil, representados espiritualmente pelos materiais do templo, se arrependem e recebem Cristo, vendo a luz da verdade do Espírito e da Noiva e ouvindo suas vozes. Todas as coisas irracionais que ocorreram na igreja primitiva estão sucedendo de novo nesta época, como estava profetizado. Mas, até nestas difíceis circunstâncias, através da Bíblia Deus dá coragem e consolo a nós que entraremos no reino dos céus.

Ap. 12:17 『Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus; e se pôs em pé sobre a areia do mar.』

Por estar escrito que o dragão se pôs em pé para pelejar contra a descendência da mulher, sobre a areia do mar, ou seja, a sociedade humana, sem falta a guerra espiritual iria acontecer. E no capítulo 18 de Apocalipse, está escrito que Deus, que derrotou e venceu o dragão, é poderoso. O apóstolo João viu como começaria a guerra espiritual e como terminaria; afinal, o diabo será lançado ao lago de fogo e enxofre.


A vida digna e o caminho da fé


A vida é muito curta. Durante a nossa vida humana, em geral não podemos viver nem cem anos.

Sl. 90:10 『Os dias da nossa vida sobem a setenta anos ou, em havendo vigor, a oitenta; neste caso, o melhor deles é canseira e enfado, porque tudo passa rapidamente, e nós voamos.』

Será que não é uma vida curta? Então, como devemos viver esta curta vida? Temos que viver retamente perante Deus. Devemos seguir pelo caminho da verdade, mesmo que nosso inimigo, o diabo, nos ponha obstáculos e aflições, e ainda que a verdade seja odiada e caluniada. Já que a verdade está sendo caluniada, se andarmos pelo caminho afastado da verdade conformando-nos com a falsidade, não estaremos seguindo a vontade de Deus.

Nós também devemos guardar e seguir o caminho da fé pelo qual os apóstolos e antepassados caminharam mostrando exemplos. Da maneira que nossos antepassados da fé e os apóstolos como Paulo, Pedro e João fizeram, precisamos nos tornar os filhos de Deus que têm a fé digna de desfrutar da eterna felicidade junto com Deus e com milhares de anjos no glorioso reino. Então, nós viveremos felizes para sempre no reino dos céus.

Nos dias da igreja primitiva, quando os apóstolos, cheios do Espírito Santo, escreveram a Bíblia, colocaram a palavra “homem” depois de “Cristo Jesus”, e disseram: “Todo espírito que negasse que Cristo houvesse vindo como ser humano, era o espírito do anticristo que procedia do diabo”. Isto mostra quanto as pessoas daquele tempo zombavam dos apóstolos e os perseguiam, afirmando que Jesus era apenas um homem. Nós também, levando em conta a fé dos apóstolos daqueles dias que acreditavam em Jesus vindo em carne, do mesmo modo temos que nos recordar sempre que não podemos entrar no reino dos céus, sem crer em Deus Espírito Santo que veio em forma humana como o Salvador desta época. Pregando o nome de Deus Espírito Santo e confiando neste nome, vamos ser os filhos do céu dignos de entrar no eterno reino dos céus.