한국어 English 日本語 中文 Deutsch Español हिन्दी Tiếng Việt Русский LoginCadastre-se

Login

Bem-vindo(a)!

Obrigado por visitar a página web da Igreja de Deus Sociedade Missionária Mundial.

Você pode fazer login para acessar a área exclusiva para os membros da página web.
Login
Usuário
Senha

Esqueceu-se da Senha? / Cadastre-se

P. Há muitas pessoas no mundo que asseguram seguir Jesus. Contudo, por que não guardam a Nova Aliança que Jesus estabeleceu?

R. O propósito de Jesus ao vir a esta terra é dar a vida eterna aos seres humanos que estão destinados a morrer por seus pecados. Com o fim de nos guiar a salvação, Jesus estabeleceu a Nova Aliança no dia da Páscoa, e se converteu em uma oferta de expiação para nós, derramando o seu sangue na cruz. A Nova Aliança tem as sete festas de três tempos incluindo a Páscoa, além do Dia de Repouso.

Os que creem em Jesus e querem ser salvos, devem conhecer a Nova Aliança e guardá-la. Contudo, só alguns guardam a Nova Aliança. A razão é que a verdade da Nova Aliança que Jesus estabeleceu, começou a ser mudada depois da época apostólica, e desapareceu completamente.

A profecia sobre o desaparecimento da verdade da Nova Aliança

Há muitas profecias na Bíblia que mostram que a Nova Aliança seria destruída, e que a iniquidade prevaleceria na igreja. Uma das profecias é a parábola do joio contada por Jesus.

Mt. 13:24-30 “Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente no seu campo; mas, enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele, semeou o joio no meio do trigo e retirou-se. E, quando a erva cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. Então, vindo os servos do dono da casa, lhe disseram: Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde vem, pois, o joio? Ele, porém, lhes respondeu: Um inimigo fez isso. Mas os servos lhe perguntaram: Queres que vamos e arranquemos o joio? Não! Replicou ele, para que, ao separar o joio, não arranqueis também com ele o trigo. Deixai-os crescer juntos até à colheita, e, no tempo da colheita, direi aos ceifeiros: ajuntai primeiro o joio, atai-o em feixes para ser queimado; mas o trigo, recolhei-o no meu celeiro.”

Mt. 13:40-42 “Pois, assim como o joio é colhido e lançado ao fogo, assim será na consumação do século. [...] os que praticam a iniquidade e os lançarão na fornalha acesa; [...]”

O joio tem uma grande força vital; se o deixarmos crescer com o trigo, todo o campo ficará cheio de joio. Assim, o joio semeado depois de que Jesus deixou este mundo, cresceu rapidamente com a sua grande força vital, e se espalhou em todo o campo. Em outras palavras, o mundo se encheu de iniquidade.

Este foi o resultado da igreja que seria governada pelo inimigo de Deus, de acordo com a profecia de Daniel.

Dn. 7:25 “Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos (as festas solenes) e a lei; e os santos lhe serão entregues nas mãos, por um tempo, dois tempos e metade de um tempo.”

Dn. 7:25 [NTLH] “Ele falará contra Deus e perseguirá o povo do Deus Altíssimo. Procurará mudar a Lei de Deus e os tempos das festas religiosas. O povo de Deus será dominado por ele durante três anos e meio.”

A mesma profecia está escrita no livro de Apocalipse.

Ap. 13:5-7 “Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias e autoridade para agir quarenta e dois meses; e abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para lhe difamar o nome e difamar o tabernáculo, a saber, os que habitam no céu. Foi-lhe dado, também, que pelejasse contra os santos e os vencesse. Deu-se-lhe ainda autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação;”

Esta profecia que a besta conquistaria os santos, significa que lhes tiraria a verdade da vida.

Com respeito à aparição do homem da iniquidade que destruiria a verdade da vida, o apóstolo Paulo também profetizou da seguinte maneira:

2Ts. 2:3-7 “[...] porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição, o qual se opõe e se levanta contra tudo que se chama Deus ou é objeto de culto, a ponto de assentar-se no santuário de Deus, ostentando-se como se fosse o próprio Deus. [...] Com efeito, o mistério da iniquidade já opera e aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém;”

At. 20:29-30 “Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles.”

De acordo com estas profecias da Bíblia, toda a verdade da Nova Aliança desapareceu quando apareceu a iniquidade depois da época apostólica.

A história da igreja cumprida segundo as profecias da Bíblia

Através da história da igreja, analisemos como desapareceu a verdade da Nova Aliança de acordo com as profecias da Bíblia.

1) Época Apostólica
A Bíblia profetiza que Deus concederia as bênçãos do perdão de pecados e da vida eterna em Sião onde se guardam as festas solenes de Deus. Segundo esta profecia, Jesus estabeleceu a Igreja de Deus, para a salvação de toda a humanidade quando veio pela primeira vez há dois mil anos. A Igreja de Deus, onde frequentavam os apóstolos que foram ensinados diretamente por Jesus, guardava a verdade da Nova Aliança (Is. 33:20, Sl. 132:13-133:3). Seguindo o exemplo de Cristo, eles guardavam o Dia de Repouso da Nova Aliança como o seu costume e celebravam a Páscoa, a verdade da vida eterna (At. 17:2, 18:4, 1Co. 5:7, 11:23).

2) Período de Perseguição Romana
Depois da época apostólica, a igreja foi severamente perseguida pelo império romano até que foi estabelecido o cristianismo como a religião oficial de Roma. Nesse processo, a igreja se dividiu em duas. A Igreja do Oriente na Ásia Menor seguiu o evangelho de Cristo, e guardou o sábado, o Dia de Repouso, e a Páscoa, tal como Jesus e os apóstolos guardaram. A Igreja do Ocidente, centrada em Roma, aceitou a prática da adoração ao deus sol, e começou a guardar o domingo, abandonando o Dia de Repouso, por volta do ano 100 d.C.

E também, os Papas romanos, Aniceto em torno do ano 155 d.C. e Vítor em torno de 197 d.C., insistiram que a santa ceia devia ser celebrada no primeiro domingo depois da Páscoa, no dia em que Jesus ressuscitou, e obrigaram a Igreja do Oriente a abandonar a Páscoa que havia guardado de acordo com a Bíblia.

3) Período da Secularização
À medida que o cristianismo foi declarado como a religião oficial de Roma no Édito de Milão em 313 d.C. e começou a ser reconhecido pelo mundo, a igreja se secularizou rapidamente. Em 321 d.C., o imperador romano Constantino instituiu o domingo como feriado e como dia de descanso em todo o império. Assim, o domingo se tornou o dia de culto diante da insistência da Igreja do Ocidente. No ano 325 d.C., a Páscoa foi completamente abolida no concílio de Niceia, no qual foi determinado que a Páscoa deveria ser celebrada no primeiro domingo seguinte à primeira lua cheia depois do equinócio da primavera. Em 354 d.C., a igreja romana começou a celebrar o nascimento de Jesus no dia 25 de dezembro, o nascimento do deus sol.

A iniquidade prevaleceu nas igrejas por terem abandonado o Dia de Repouso e a Páscoa, e escolherem guardar o domingo e o Natal, seguindo a Igreja Católica. Assim, os santos que tinham uma fé sincera tiveram que se esconder nas montanhas ou nos desertos para guardar a verdade. Conservaram a verdade com muita dificuldade, mas no final ela desapareceu de modo que ninguém no mundo pudesse encontrála durante muito tempo. Este foi o cumprimento da profecia de que o diabo, o inimigo de Deus, mudaria os tempos (as festas solenes) e a lei de Deus.

4) Período do Papado
Desde os fins do século IV, os povos germânicos que haviam se mudado ao império romano começaram a se converter ao catolicismo; e o Papa, o chefe da Igreja Católica Romana, conseguiu o poder absoluto em toda a Europa. Então a verdade desapareceu, e chegou a Idade das Trevas: prevaleceu a iniquidade e o Papado exerceu o poder absoluto durante 1.260 anos, e oprimiu o povo de Deus através da Inquisição e outros tipos de tortura (Dn. 7:25).

5) Período da Reforma Religiosa
Como a corrupção do Papado alcançou o seu pior momento, surgiu a Reforma Protestante e foram estabelecidas muitas igrejas protestantes. Contudo, nenhuma delas pôde restaurar a verdade da Nova Aliança que havia existido na época apostólica. Os reformadores somente gritavam a reforma da fé, e continuaram seguindo as doutrinas da Igreja Católica.

Até agora, muitas igrejas protestantes continuam a observar as leis criadas pela Igreja Católica; guardam o domingo, que é o dia de adoração ao deus sol Mitra, e celebram o Natal no dia 25 de dezembro, o nascimento do deus sol. Durante 1.600 anos desde que a Páscoa foi abolida em 325 d.C., muitos reformadores religiosos e eruditos apareceram e estudaram a Bíblia, mas nenhum deles pôde restaurar a verdade da Nova Aliança que Jesus estabeleceu em sua primeira vinda.

Jesus restaura a verdade da vida em sua segunda vinda

Mesmo que os reformadores religiosos e os eruditos fizessem grandes esforços, não puderam restaurar a verdade da vida eterna que Jesus estabeleceu em sua primeira vinda. A razão é que só Jesus, que vem pela segunda vez, pode restaurar a verdade da Nova Aliança que desapareceu da terra.

Ap. 5:1-5 “Vi, na mão direita daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora, de todo selado com sete selos. Vi, também, um anjo forte, que proclamava em grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de lhe desatar os selos? Ora, nem no céu, nem sobre a terra, nem debaixo da terra, ninguém podia abrir o livro, nem mesmo olhar para ele; e eu chorava muito, porque ninguém foi achado digno de abrir o livro, nem mesmo de olhar para ele. Todavia, um dos anciãos me disse: Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos.”

Como a verdade da Nova Aliança desapareceu, os seres humanos não puderam ser salvos. Com relação a esta situação, a Bíblia diz que o livro estava selado com sete selos. Os segredos da Bíblia que estavam selados, só podem ser abertos pela Raiz de Davi, que é Jesus que vem pela segunda vez (Ap. 22:16).

De acordo com esta profecia, Jesus veio de novo em carne para restaurar a verdade da vida, que os santos uma vez perderam (1Co. 4:5, Hb. 9:28). As festas da Nova Aliança, incluindo a Páscoa, são tão preciosas que Deus mesmo veio para pregá-las. Demos graças a Deus por ter vindo de novo a esta terra para nos libertar da cadeia da iniquidade, e guardemos as festas da Nova Aliança que Deus restaurou, para que todos nós possamos alcançar a salvação.